Novo diferencial de icms por uf

Como todos já devem saber, a partir de 01/01/2016 todas as lojas que venderem para outros Estados/UF, inclusive aquelas funcionando com PJs sob o Simples Nacional, devem calcular e recolher um diferencial de ICMS (que eu considero adicional) para o estado de destino (do comprador).

Esse cálculo e recolhimento inicialmente será feito para cada pedido, através da emissão uma guia GNRE no site da Fazenda de cada Estado de destino. Essa guia paga deve acompanhar o pedido junto com a NF do produto.

E o imposto não é pequeno. Ele pode chegar a 4% do valor da NF (em 2016).

Ficamos então com 2 opções:

  1. Aumentar o preço para não perder margem (só que isso me deixa menos competitivo dentro do nosso estado.
  2. Manter o preço e tomar prejuízo para vendas fora do estado.

Então deixo algumas sugestões para a Li:
A) Permitir Ativar/Desativar a venda por UF.
B) Permitir precificações diferentes por UF.
C) integrar um sistema tributário que faça o cálculo do preço de acordo com o UF destino.

10 Curtidas

Totalmente apoiado meu amigo, não tem como vender sem isso, estamos indo para a opção 2 e isso pode nos dar certo prejuizo dependendo da forma de pagamento por conta da nossa baixa margem de lucro no nosso segmento.

3 Curtidas

Ainda há esperança dessa lei cair, eles não vão fazer algo que custa dinheiro e tempo , considerando q a legislação brasileira é uma indecisão pura, logo essa lei muda , o certo é esperar mesmo, minha loja ainda não esta no ar, então eu só vou esperar até decidirem como vai ser sobre a lei

3 Curtidas

Importantíssimo isso, aguardamos alguma novidade ou implementação para a loja.

3 Curtidas

No seu caso esperar pode ser uma opção viável, no nosso não é!
Mas independente dessa questão, a muito tempo sabemos que no Brasil existe diferenças tributárias e por isso tem produtos que são vendidos por um preço x em um estado e y em outro, isso funciona muito bem em loja fisica, mas nunca vi sistema de loja virtual preparadas para fazer isso, e é muito importante!
A Léo Madeiras (http://www.leomadeiras.com.br/) por exemplo, ao entrar na loja virtual deles, eles perguntam em qual estado se encontra e isso faz carregar os valores dos produtos e os produtos destinados a aquele estado, seria uma opção muito interessante de ser acrescentada no sistema para nós logistas ter maior flexibilidade de vendas.

10 Curtidas

Saymon, é uma emenda constitucional. Bem difícil cair agora, tem que ter muita pressão de peixes grandes e talvez de nós MPE se nos unirmos

3 Curtidas

Olá Pessoal, e quanto a MEI, que até onde eu sabia, era apenas um imposto mensal que deveria ser pago?

Obrigado,

1 Curtida

sou a favor de os impostos aparecerem para o cliente na hora da compra, e assim ter a noção de quanto estão pagando de imposto, agora nos vendedores tem que ficar aumentando o valor do imposto e o cliente nunca sabe o quanto paga, porem reclama do preços estarem subindo.

sou a favor de descrimina o valor do imposto na nota tipo:
produto: R$ 50,00
Impostos: R$ 15,00
Frete: R$ 15,00

Total: R$ 80,00

assim o Brasileiro acorda para a realidade

2 Curtidas

Eu já estava para sugerir algo neste sentido. Ótima postagem!!

Dá forma com está realmente ou subimos o valor dos produtos e ficamos menos competitivos em nosso Estado ou mantemos os valores e perderemos margem de lucro!

Sugestão:
Alem de solicitar a UF do comprador, vale lembrar que tambem há uma diferença na forma (e valor) de cobrar, para Pessoas Juridicas ou Pessoas Fisicas.
Portanto, este dados deveriam ser solicitados quando o cliente (de outra UF) for verificar o preço.
Por exemplo:

Produto XXX: R$1000,00 (Preço em SP — CLIQUE AQUI SE FOR DE OUTRO ESTADO)

Ao clicar:
Qual a sua UF:___ Pessoa Fisica ( ) Pessoa Juridica ( )
—> Valor para o seu Estado:R$1000,00 + R$24,00 = R$1024,00

6 Curtidas

Basicamente, se você tem um CNPJ e está enquadrado no Simples Nacional, Sim.

1 Curtida

Tarciso, a maioria das notas já têm essa discriminação.
Em muitos casos, é obrigação legal!

SuperCondutor, você tocou num ponto interessante!

O recolhimento do imposto não é devido se o seu cliente for revender a mercadoria lá no Estado dele.
E para isso ele tem que ser uma Pessoa Jurídica de varejo e com Inscrição Estadual na UF dele.

Mesmo que seja uma PJ, se não tiver a Inscrição Estadual ou se for consumir/utilizar/instalar o produto, então o comprador será considerado consumidor final e o lojista deverá recolher o diferencial de ICMS.

1 Curtida

Olá LAB01,

Eu descrevi uma forma resumida, mas realmente é ainda mais complexo, pois temos que saber de qual UF, se é PF ou PJ e se tambem tem IE!!! …para sermos bem completos deveriamos saber até o que o comprador vai fazer com o produto, revender ou utilizar, para “somente” com estes dados podermos calcular os impostos devidos corretamente!!!
Muito facil, bem SIMPLES!!!

Como estava antes de Jan/16 já era complicado quando o cliente de outro Estado era PJ, mas agora ficou extremamente complicado vender fora de SP!!
Como foi dito, se o meu preço estiver baseado em SP, perderei ao vender para outro Estado.
Se o meu preço estiver pelo valor do Estado que cobrar mais, não venderei ada em SP por estar caro.
Dá forma que está, o comercio entre os Estados fica seriamente prejudicado.
Perdem os compradores, perdem os vendedores e perdem os Estados e a Federação por menos recolhimento de impostos!!
Não dá para entender como podem ser tão burros em fazer uma lei assim, pois TODOS perdem!!

2 Curtidas

Pessoal, já desenvolvemos em nosso software todos os cálculos e validações para emissão de GNRE, exceto para SP, RJ e ES.

Já temos tudo parametrizado :slightly_smiling:

http://www.optimuserp.com.br

Atenciosamente.

Rodrigo Vaz

1 Curtida

Excelente idéia!!! realmente seria uma ótima alternativa.
Estou muito preocupada com essa mudança, pois os maiores prejudicados são as empresas pequenas

1 Curtida

Agora mudou Ricardo. Se vc efetuar venda para outro estado, tem q gerar a guia e pagar a diferença do icms q é cobrado no estado de destino.

1 Curtida

O Bling já está com um processo facilitador pra emissão da bendita GNRE. O Tiny, que é o ERP que usamos ainda não desenvolveu nada nesse sentido.

Já li citações também sobre o geradordegnre com br

Aqui na empresa estamos emitindo todas as notas normalmente, não pagamos nem geramos nenhuma GNRE ainda. Aguardaremos o desenrolar disso tudo primeiro pois existe sim a chance dos optantes do Simples Nacional serem excluídos.

Alguns links com maiores informações:

Existe um grupo no facebook tratando exclusivamente disso. Quanto mais pessoas se juntarem, melhor!

https://www.facebook.com/groups/918817651565679

No minimo um aviso aos clientes que se cadastrarem com cnpj.
Não encontrei nenhuma resposta da loja integrada sobre o assunto.

Mas isso já não tinham dado roll back? não tinha caído essa lei?